PIX – A revolução dos meios de pagamento. Seu cartão de débito pode estar com os dias contados?

PIX o serviço que promete revolucionar os meios de pagamento
e já está em testes no Brasil pode pouco a pouco tomar o lugar de vários meios de pagamento atuais, como o boleto, TED, e até mesmo o cartão de débito pode estar
com os dias contados, confira com a gente!

O banco central elegeu mais de 100 pessoas no ano de 2019 para trabalharem na regulamentação do até o momento conhecido como PIX ou Fast Payment, é simplesmente um serviço online que realiza intermediação de pagamentos instantâneos sem a interferência de bandeiras ou credenciadoras. Transferência automática entre duas contas, tanto entre pessoa física ou jurídica.

Mas porque o cartão de débito pode acabar?

Um dos motivos do porque este serviço ameaça algumas formas de pagamento hoje ainda utilizadas é que praticamente toda transação atualmente possui cerca de 3 taxas, o banco emissor, a taxa da bandeira do cartão e ainda a taxa da maquininha
(Cielo, Pagseguro, Safrapay, entre outras).

Se considerarmos que com o PIX só haverá uma taxa ao invés de 3 e que o recebimento do valor será liquidado quase que instantaneamente, então nós entendemos o porque que meios de pagamento como boleto, TED e cartão de débito podem realmente estar com os dias contados.

Se tudo acontecer conforme as intenções do Banco Central no desenvolvimento do novo meio de pagamento, tudo indica que em poucos anos vamos assistir a eliminação em massa de tudo que é físico, como os cartões que carregamos em nossas carteiras e as maquininhas de cartão.

Isso porque na América Latina o Brasil é o pais mais adepto as novas tecnologias, portanto a chance da população adotar este método de pagamento rapidamente são grandes pois atualmente muitos utilizam as contas digitais que na verdade foram apenas o primeiro passo para essa evolução acontecer.

Como fazer o cadastro?

Para fazer esse processo é muito simples, a pessoa física ou empresa precisa ter uma conta corrente ou poupança de pagamentos mantida em um prestador de serviços financeiros, seja ele banco, fintech ou uma plataforma de pagamentos.

O registro começa no dia 05 de outubro para pessoas físicas e jurídicas, as instituições financeiras vão contatar os clientes e isso tudo vai acontecer dentro dos canais do banco em que o cliente tem conta. Se preferir pode também procurar o banco mas será feito apenas após a data mencionada.

A partir disto, o cliente informa por qual chave PIX ele quer receber, essa chave funciona como um identificador e pode ser o RG, CPF E-mail, telefone ou número aleatório. Essa numeração será responsável pelas transferências para a conta de outra pessoa pelo PIX.

Ao definir a chave ela é passada para o Banco Central finalizar o cadastro dentro do sistema interno deles. portanto os bancos, as  fintechs e instituições financeiras são uma ligação entre o BC e o consumidor.

O cadastro não é obrigatório para pessoas físicas e empresas não financeiras, apenas para instituições financeiros com mais de 500mil clientes, mas é recomendado pelo BC ter o cadastros, já que o objetivo é popularizar o sistema.

Como usar o PIX?

Os consumidores podem usar de três maneiras, a primeira é a chave PIX que é possível fazer e receber transferências no novo sistema.

A segunda é QR Code, que ao escanear o código o usuário consegue comprar produtos ou pagar suas contas, inclusive o sistema inclui também pagar contas como luz e telefone via QR code em um futuro próximo.

A terceira maneira é NFC (Near Field Communication) os pagamentos poderão ser feitos por meios de tecnologias que permitam a troca de informação por aproximação.

Outro recurso muito importante é o PIX agendado, como o próprio nome já diz trata-se de um agendamento para determinada fatura, como acontece hoje com DOC, e será possível fazer o cancelamento até a data prevista para a transação ocorrer.

O que o PIX mudará nas empresas

A primeira coisa que já de cara vai mudar é o seguinte fato:
Você poderá oferecer ao seu cliente uma forma de pagamento instantânea, ou seja:
Acabou a espera dos horários bancários para a liquidação de pagamentos.
Sabe outra coisa fantástica?

Ao invés de esperar vários dias para receber os pagamentos de cartão na maquininha, com o PIX o recebimento é instantâneo assim como hoje funciona a TED. Porém com taxas bem mais em conta, afirma o Banco Central.

O varejista será um dos mais beneficiados por isso, pois atualmente o comerciante paga taxas absurdas pelas operações de pagamento e com o PIX possivelmente haverá uma única taxa já que o empresário não dependerá mais das maquininhas e o cliente não precisará dos cartões, a tendência é que os pagamentos dependerão cada vez menos de dispositivos(físicos).

É seguro?

O banco central já tem experiências com TED, então de certa forma já tem um conhecimento com transações, haverá limitadores como transações altas na madrugada, tudo de acordo com o perfil de quem está usando.

Os bancos e instituições financeiras também serão responsáveis pela segurança e por isso aplicarão regras no uso, facilitando ainda mais o uso do novo sistema ao invés de notas físicas.

Talvez você não consiga neste momento imaginar o tamanho do balanço que haverá no mercado, mas só pra você ter uma ideia, no Brasil o dinheiro físico ainda é muito utilizado
temos aproximadamente 40 milhões de pessoas que não possuem acesso a serviços bancários e usam apenas dinheiro em espécie.

Porém com a chegada do PIX boa parte da população tenderá a adotar diretamente essa modalidade de pagamento já que não precisarão de forma alguma dos bancos tradicionais de fato, e os demais serviços como os bancos digitais que já existem no mercado como Nubank, Neon, Banco Original, Banco Inter, Next entre vários outros cujos possuem milhões de usuários no Brasil também precisarão rever suas operações no que diz respeito a transferências já que TED e DOC provavelmente ficarão obsoletos com a chegada da nova forma de pagamento.

Tem muita coisa para acontecer, talvez a forma como nós compramos e pagamos hoje, seja totalmente diferente daqui a 3 ou 4 anos imagine lojas que ao invés de possuir maquininhas no caixa, terão sensores.

Ou os cartões que eu e você temos na carteira de repente ir desaparecendo e aos poucos virar uma antiguidade como as fichas telefônicas são hoje para nós, ou mais que isso: Tudo o que é físico no que diz respeito a dinheiro for dia a dia sendo extinto…

Não precisa se espantar, o mais importante de tudo isso é estar antenado(a)
as novas tecnologias estão se superando cada vez mais rápido
e se tudo ocorrer conforme o esperado pelo Banco Central, o novo PIX que tornará irrelevante várias operações que atualmente fazemos diariamente.

No entanto, se a sua empresa ainda é adepta aos pagamentos via boletos, eu aproveito para te mostrar aqui e agora, uma ferramenta espetacular para o seu negócio. Trata-se do Gerador de Boletos do FreeNFe. Este recurso permite que você emita seus boletos imediatamente e automaticamente junto com as emissões das notas fiscais. Isso mesmo, se você ainda usa enviar arquivos de remessas para os bancos, para geração de boletos, esqueça, comece agora mesmo a usar a ferramenta dentro do FreeNFe. Além de te gerar um ganho de tempo consideravelmente grande, também vai ter proporcionar ganhos financeiros, isto porque ao usar o Gerador de Boletos do FreeNFe, você paga apenas pelos boletos efetivamente pagos. Para saber mais clique em qualquer neste link e Fale Comigo Direto pelo WhatsApp.

Já que estamos falando de baixo custo e de facilidade para os empreendedores
a única forma de vender legalmente no Brasil e estar em dia com o fisco é emitindo corretamente suas Notas fiscais, e você pode fazer isso sem pagar nada! Isso mesmo!
O FreeNFe é gratuito, fácil de usar e rápido para você vender sem complicação
vou deixar logo abaixo o botão de download para você conhecer o FreeNFe agora mesmo.

Resultado de imagem para botão quero baixar agora

Emissores

Ferramentas gratuitas

Soluções

Av. Pedro Taques, 294, Zona 7, Maringá – PR, 87030-008
CNPJ: 23.903.417/0001-60
2016 • 2024  |  Mapa do site